O Centro Loyola

O Centro Loyola de Fé e Cultura PUC-Rio foi criado em 1994 com a proposta de promover uma formação cristã integral para leigos, através de atividades em três diferentes eixos: Espiritualidade, Cursos e Eventos. Primeiro Centro Loyola do Brasil e o único vinculado a uma Universidade, hoje ele amplia sua atuação e, diante dos desafios que a cultura moderna apresenta à fé, propõe a reflexão, discussão e aprofundamento sobre temas do mundo contemporâneo, principalmente ligados à cultura e à ciência.

A área de espiritualidade segue a experiência dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola. Os retiros de Iniciação e em Etapitas – Retiro de 8 dias dividido em quatro finais de semana ao longo do ano – são organizados em parceria com o Centro de Espiritualidade Inaciana (CEI) e conduzidos por padres jesuítas. Além disso, o Centro Loyola PUC-Rio também oferece retiros temáticos e litúrgicos, organizados por uma equipe de leigos voluntários. O retiro de Natal é o mais tradicional e já era feito antes mesmo da criação do Centro, passando a fazer parte da programação da casa desde o primeiro ano de atividades.

O setor de cursos oferece formação continuada para leigos, com cursos livres em diferentes áreas, tais como: Documentos da Igreja, Filosofia, Sagradas Escrituras, Diálogo Interreligioso, entre outras. As aulas são ministradas por professores de várias universidades do Rio de Janeiro e de outros estados, grande parte deles com mestrado, doutorado e ampla experiência como docentes. Ao término de todos os cursos, os participantes que frequentaram 75% das aulas dadas recebem um certificado.

E para acompanhar mais de perto as questões do mundo contemporâneo, o Centro Loyola também organiza diferentes eventos. Desde saraus com música e poesia, até workshops, seminários, palestras e exposições, de acordo com os assuntos que estejam mais em evidência no momento.

História

O Centro Loyola foi fundado pelo padre Francisco Ivern Simó, SJ, em março de 1994, durante sua primeira gestão como Vice-Reitor de Desenvolvimento da PUC-Rio. Por ter trabalhado muito na formação de leigos, padre Ivern achou que a casa na Estrada da Gávea, doada à PUC, seria o espaço ideal para abrigar um setor não apenas de espiritualidade, mas que envolvesse a discussão de temas atuais. “Loyola porque Inácio de Loyola é o fundador dos Jesuítas, e de Fé e Cultura porque o que se queria sublinhar é essa necessidade no mundo de hoje do diálogo entre a fé e o mundo contemporâneo em todos os aspectos: culturais, artísticos e científicos”, explica padre Ivern.

Quando tornou-se provincial da Companhia de Jesus, anos mais tarde, padre Ivern criou outros centros Loyola nas cidades de Juiz de Fora e Belo Horizonte. A proposta bem sucedida inspirou o provincial que o sucedeu a criar mais um centro, desta vez em Goiânia. Ainda assim, o Centro Loyola de Fé e Cultura PUC-Rio permanece até hoje como o único vinculado a uma Universidade, o que lhe confere uma característica muito particular de aproximação com o meio acadêmico.

Segundo o Reitor da PUC-Rio, padre Josafá Siqueira, SJ, o Centro presta um serviço à comunidade educativa por ampliar as atividades que não são tratadas na Universidade: “O fato de ser realmente um centro agregado à universidade tem essa vantagem de poder elaborar temáticas que cada vez mais eu reconheço que são extremamente importantes dentro da Igreja e que não são tratadas dentro da PUC”, destaca o reitor.

Primeira atividade realizada no Centro Loyola, os curso de Teologia para Leigos ajudaram a formar muitas pessoas que até hoje atuam na casa. “Foi marcante, porque na falta de experiência jogamos propaganda para o Rio de Janeiro todo e não fizemos inscrição. Quando chegou o primeiro dia de aula, tinha mais de cem pessoas querendo sentar nesse salão e não dava”, conta Ana Penalber, que atuou no Loyola como voluntária e funcionária por quase 18 anos. Teresa Andrade e seu esposo Paulo fizeram o curso de Teologia e, desde os anos 90, atuam como voluntários e acompanhantes dos Exercícios Espirituais Inacianos:

– Depois da minha família, Deus me mostrou que me ama colocando no meu colo a espiritualidade inaciana. Então é algo que eu tenho muito carinho, muito zelo. O tesouro que recebi através dessa espiritualidade eu não quero só para mim, mas quero, se puder, para a toda a humanidade – ressalta Teresa.

Atual Diretor do Centro Loyola, o padre José Maria Fernandes, SJ, acredita que o trabalho de formação de leigos está consolidado e é hora de partir para novos desafios:

– Algo interessante que percebi, logo quando assumi, é que aquelas pessoas que iniciaram 20 anos atrás, nos cursos de Teologia, com muita alegria nós fomos encontrar essas pessoas já dando aulas de Iniciação, Teologia, nas suas paróquias. Que bom! O Centro Loyola cumpriu uma meta! Agora temos que começar uma nova caminhada, possibilitando a essas pessoas que já fizeram os cursos de Teologia um aprofundamento. Então começamos a verificar temas teológicos, temas da cultura, das ciências, que estão na pauta do dia, para dar um aprofundamento nisso e, para nossa surpresa, os cursos têm estado com uma boa procura, alguns até com lotação esgotada.